quinta-feira, 4 de outubro de 2012

Linguística // Perguntas e Respostas


1-Como as variantes linguísticas são tratadas pela Gramática Tradicional e pela linguística?

 A gramática tradicional considera as variantes linguísticas como erros da língua e para os gramáticos tradicionais o falante tem que ter o conhecimento da (gramática tradicional).
Já a linguística estuda as variantes, considera que a maneira do falar do falante tem que ser respeitado.

2 - Citar as dimensões de variações linguísticas, dar conceitos e exemplificar.
As variações linguísticas são categorizadas em Diafásica, Diamésica, Diastrática, Diatópica e Diacronica.


Diafásica é a variação linguística que ocorre de acordo com a situação em que o falante se encontra, por exemplo, num ambiente informal como uma reunião de amigos existe a liberdade de usar gírias, o que já não pode acontecer num ambiente formal como uma reunião de trabalho com o chefe.

Diamésica é a variação que ocorre de acordo com o canal utilizado para a comunicação, isto é, se é uma fala escrita ou oral. As diferenças entre linguagem escrita e oral são nítidas, mas como um exemplo podemos citar a supressão da letra ‘’R’’ na linguagem falada em finais de verbos, o que não deve ocorrer na linguagem escrita.

Diatópica é a variação notada nas falas de habitantes de diferentes regiões de abrangência de uma mesma língua. Temos como exemplo do português brasileiro, a palavra ‘’mandioca’’, que é chamada de ''macaxeira’’ em alguns lugares do país e ainda ‘’aipim’’ em outros.

 A variação Diacrônica trata das mudanças que ocorrem na língua com o passar do tempo como palavras que surgem ou caem em desuso, ou ainda as próprias regras gramaticais. Como exemplo temos a cantiga abaixo escrita em galego-português ou português arcaico, que é bem diferente da língua que falamos hoje, ou até mesmo do português falado em Portugal.

Cantiga da Ribeirinha

No mundo non me sei parelha,
mentre me for' como me vai,
ca ja moiro por vós - e ai!
mia senhor branca e vermelha,
Queredes que vos retraia
quando vos eu vi em saia!
Mao dia me levantei,
que vos enton non vi fea!

E, mia senhor, des aquel di', ai!
me foi a mi muin mal,
e vós, filha de don Paai
Moniz, e ben vos semelha
d'haver eu por vós guarvaia,
pois eu, mia senhor, d'alfaia
Nunca de vós ouve nem ei
valía d'ũa correa.


Diastrática é a variação relativa ao nível socioeconômico e/ou cultural do falante. Como exemplo temos o vídeo abaixo
.

3-O que é Fonética?

Fonética é o ramo da linguística que estuda a natureza física e a percepção dos sons da fala humana, seu objeto de estudo é o Fone, o Fone é o som concreto, qualquer som articulado pelo falante.

4-O que é fonologia?

Fonologia é a parte da Gramática que estuda os sons da linguagem.

Fonema é a unidade mínima sonora que é capaz de estabelecer diferenciação entre um vocábulo e outro.

Ex: mola / bola.

Como se vê a diferenciação entre as duas palavras acima é marcada pelos fonemas /m/ e /b/.

Fonemas e letras apresentam conceitos distintos:

- fonema é a representação sonora;

- letra é a representação gráfica do fonema.

Numa palavra, nem sempre há o mesmo número de sílabas e fonemas.

A palavra livro, por exemplo, possui:

- cinco letras (l-i-v-r-o)
- cinco fonemas (l-i-v-r-o)

A palavra hoje possui:
- quatro letras (h-o-j-e)
- três fonemas (o-j-e)

Na palavra canta temos:
-cinco letras (c-a-n-t-a)
-quatro fonemas (c-ã-t-a)- Diamésica é a variação que ocorre de acordo com o canal utilizado para a comunicação, isto é, se é uma fala escrita ou oral. As diferenças entre linguagem escrita e oral são nítidas, mas como um exemplo podemos citar a supressão da letra ‘’R’’ na linguagem falada em finais de verbos, o que não deve ocorrer na linguagem escrita.

- Diatópica é a variação notada nas falas de habitantes de diferentes regiões de abrangência de uma mesma língua. Temos como exemplo do português brasileiro, a palavra ‘’mandioca’’, que é chamada de ''macaxeira’’ em alguns lugares do país e ainda ‘’aipim’’ em outros.

- A variação Diacrônica trata das mudanças que ocorrem na língua com o passar do tempo como palavras que surgem ou caem em desuso, ou ainda as próprias regras gramaticais. Como exemplo temos a cantiga abaixo escrita em galego-português ou português arcaico, que é bem diferente da língua que falamos hoje, ou até mesmo do português falado em Portugal.

Cantiga da Ribeirinha

No mundo non me sei parelha,
mentre me for' como me vai,
ca ja moiro por vós - e ai!
mia senhor branca e vermelha,
Queredes que vos retraia
quando vos eu vi em saia!
Mao dia me levantei,
que vos enton non vi fea!

E, mia senhor, des aquel di', ai!
me foi a mi muin mal,
e vós, filha de don Paai
Moniz, e ben vos semelha
d'haver eu por vós guarvaia,
pois eu, mia senhor, d'alfaia
Nunca de vós ouve nem ei
valía d'
ũa correa.

- Diastrática é a variação relativa ao nível socioeconômico e/ou cultural do falante. Como exemplo temos o vídeo abaixo

5-O que é preconceito linguístico?

Preconceito linguístico é o ato de discriminar uma pessoa pelo seu modo de falar. Podemos observar que esse preconceito realmente existe e que as pessoas que não dominam a gramática normativa são consideradas "burras".Com a Linguística aprendemos que não devemos discriminar o individuo que não domine a norma culta,temos que levar em consideração sua história de vida e se ela teve acesso a escolaridade. (se der complete pq tá osso).

6-O que é o par mínimo?Tal par está relacionado à qual das duas áreas da linguística que estudam o som da língua?Qual a função do par mínimo?Dê exemplos?

Par mínimo está relacionado à fonologia, justamente porque a fonologia estuda os sons dos fonemas estabelecendo traços distintivos entre eles. Par mínimo é um par de palavras em uma língua que se diferem em apenas um elemento fonológico (fonema) levando a significados diferentes; sendo assim, a função do par mínimo é diferenciar fonemas. Por exemplo casa (/z/) e caça (/s/), pato (/p/) e tato (/t/), mão (/m/) e não (/n/).

Nenhum comentário:

Postar um comentário